Blog Lumni | A história da cor que virou marca
A história da cor que virou marca
24 mar 2016

A história da cor que virou marca

24 mar 2016

Ou seria da marca que virou cor? Falaremos sobre um dos maiores sucesso de branding do mundo: o da Tiffany & Co.

De modo geral, quando recebemos um presente a curiosidade que bate é a do conteúdo do pacote, certo? Mas, se você receber uma caixinha da cor turquesa com um laço branco, provavelmente não vai ter mais dúvidas sobre o que é: uma joia da Tiffany.

A caixinha

A caixinha

Como pode uma marca passar todo o seu significado com apenas uma cor? Pois neste caso, isto vai mais além: assim como existe o amarelo ovo, azul piscina, rosa salmão…existe o “Azul Tiffany” e sim, o nome é de fato registrado e patenteado.

A marca nasceu em 1837 na Broadway,  em Nova York, mas a lenda sobre como surgiu a cor data de 1845 quando seu criador, Charles Lewis Tiffany escolheu a cor para a capa do Blue Book – O catálogo anual de jóias da marca. O motivo da escolha ainda é um mistério, mas acredita-se que tenha sido pelo fato de jóias da cor turquesa estarem em alta naquela época.

Início

Início

A cor foi sendo repetida e em meados de 1880 a Tiffany lançou uma coleção de alianças de diamante feitas a mão e que eram enviadas dentro de caixinhas que, com o tempo, acabaram por se tornar tão cobiçadas quanto as próprias joias.

A representatividade da caixinha e da cor eram tão grandes que em 1906 o jornal The New York Sun fez a seguinte publicação: “Tiffany tem algo em estoque que você não pode comprar, independentemente do dinheiro que possa oferecer; algo que poderá ser somente dado a você. E é uma de suas caixas.

O anel “Tiffany Setting” lançado pela marca em 1886 foi o primeiro anel a colocar o diamante fora do aro dando destaque a pedra, criando as alianças e anéis solitários como conhecemos hoje. Anel este, que foi imortalizado pela atriz Audrey Hepburn no filme “Bonequinha de Luxo” (Breakfast at Tiffany’s), que foi inspirado na marca, onde diariamente a personagem tomava seus cafés da manhã em frente a uma loja da Tiffany, tentando fugir de seus problemas.

Tiffany Setting

Tiffany Setting

Foi então que sua sofisticação e luxo se uniram definitivamente a cor criando um laço que não se separaria mais até os dias de hoje, onde a marca se consagra como uma das maiores rede de joalherias do mundo, ao lado de ícones como Piaget, Bvlgari e Cartier.

Loja em Paris

Loja em Paris

Quer um exemplo do quão luxuosa se tornou a marca? Pois bem, o diamante mais puro, brilhante e extremamente raro que pode ser encontrado na natureza é classificado como categoria “D” pelas joalherias, e esta é a nota mais alta que um diamante pode alcançar. A raridade deles é tão grande que por vezes não são encontrados durante décadas.

Com isto em mente,  saiba que a Tiffany vende um anel oval de platina com este diamante ao centro (e outros menores em volta) por módicos US$1,47 milhão, e por apenas US$7 milhões você consegue um colar com uma pedra destas de 20 quilates – fora os outros quase 40 quilates de pedras menores.

Mas não se engane com essa micharia: em 2012 a rede fez uma campanha publicitária para comemorar o seu 175º aniversário e nela foi oferecido um anel feito de um raríssimo diamante azul e que custava nada menos do que US$ 10 milhões. Claro que nem todas as peças vendidas pela marca possuem estes valores estratosféricos, mas se você for na filial da loja que fica no Shopping Cidade Jardim em São Paulo, prepare-se para deixar ao menos um carro popular zerinho como forma pagamento, rs.

O preço

O preço

E em respeito a cor, “recentemente” em 2001 a PANTONE transformou o azul numa cor exclusiva, registrada e extremamente secreta. O nome dado a cor foi “Blue 1837” em homenagem ao ano de nascimento da marca, mas popularmente é conhecido como simplesmente Blue Tiffany. Com este registro, a combinação de pigmentos seria sempre perfeita independentemente de em qual parte do mundo fossem fabricadas as embalagens.

A cor é tão importante para a Tiffany que este ano está em cartaz nos Estados Unidos e Canadá o filme Crazy About Tiffany’s  que conta toda a representatividade que uma simples caixinha azul pode ter na vida de uma pessoa. Veja o trailer:

Nas palavras da própria empresa: “Se você olha embaixo da arvore de natal e vê um presente, você fica feliz. Se ele estiver embrulhado dentro de uma de nossas caixinhas, você sabe que vai ganhar algo mais do que especial.”

É isto pessoal. A próxima vez em que você ver uma das caixinhas ou estiver passando em frente a uma das lojas, vai entender toda história que acompanha a marca e sua cor.

Deixe seu comentário!

Mais Postagens